Blog

A inteligência artificial está prestes a afetar cerca de 40% de todos os empregos

Published

on

A inteligência artificial está prestes a afetar cerca de 40% de todos os empregos, de acordo com uma nova análise do Fundo Monetário Internacional (FMI). A diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, afirma que “na maioria dos cenários, a IA provavelmente vai agravar a desigualdade global”.

Georgieva adiciona que os decisores políticos devem abordar esta “tendência preocupante” para “evitar que a tecnologia alimente ainda mais as tensões sociais”. Enquanto em economias avançadas a IA pode afetar até 60% dos empregos, melhorando a produtividade em metade dos casos, em países de baixa renda afetará apenas cerca de 26% dos empregos.

A expansão da IA trouxe tanto benefícios quanto riscos, sendo capaz de realizar tarefas chave atualmente executadas por humanos, o que poderia reduzir a procura por mão-de-obra, afetar salários e até eliminar empregos.

A diretora do FMI salienta que muitos países não têm a infraestrutura ou força de trabalho qualificada para aproveitar os benefícios da IA, aumentando o risco de que a tecnologia possa, com o tempo, agravar a desigualdade entre nações.

Enquanto trabalhadores de maior renda e mais jovens podem ver um aumento desproporcional nos seus salários após a adoção da IA, trabalhadores de menor renda e mais velhos podem ficar para trás. Georgieva enfatiza a importância de estabelecer redes de segurança social abrangentes e oferecer programas de requalificação para trabalhadores vulneráveis, a fim de tornar a transição para a IA mais inclusiva e limitar a desigualdade.

Esta análise surge enquanto líderes empresariais e políticos globais se reúnem no Fórum Económico Mundial em Davos, onde a IA é um dos tópicos em discussão, especialmente após o aumento de popularidade de aplicações como o ChatGPT.

A tecnologia está a enfrentar uma regulação crescente a nível mundial, com a União Europeia a chegar a um acordo provisório sobre as primeiras leis abrangentes para regular o uso da IA, e a China a introduzir algumas das primeiras regulações nacionais sobre a tecnologia, que incluem regras sobre como os algoritmos podem ser desenvolvidos e implementados.

Nos Estados Unidos, o Presidente Biden assinou uma ordem executiva que obriga os desenvolvedores a partilhar resultados de segurança relacionados com a IA com o governo dos EUA, e no Reino Unido foi realizada uma Cimeira de Segurança da IA, onde vários países assinaram uma declaração sobre o desenvolvimento seguro da tecnologia.

Fonte: https://www.bbc.com/news/business-67977967

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Trending

Exit mobile version